Novidades:
Procurando...

O Design Nacional

Postagem do instagram do Acervo NDesign com um texto e uma foto do Alexandre
Era dia 4/5 (sexta-feira) próximo das 17h. Eu estava no meio do experiente e dei aquela olhada no Instagram, quando vejo essa postagem do @acervondesign.

Eu fiquei tão chocada que num primeiro momento não quis entender, logo fui checar a informação, confirmado pelo jornal Folha de S. Paulo.
Meu estado de choque foi tamanha que minha colega me perguntou o que havia acontecido, minha única resposta foi "alguém que eu admiro morreu". Sim, eu precisei dar uma pausa no trabalho e tentar falar com o Rennan, a única pessoa que eu sabia com toda certeza que iria me compreender por completo.Não, eu não o conheci pessoalmente e nem nada nesse sentido, porém como disse Rennan pra mim naquela tarde, "é como se um parente tive-se morrido". E concordo plenamente com essa comparação.

Veja bem, textos que contam sobre a carreira do Alexandre é fácil de encontrar (inclusive, recomendo esse feito pelo pessoal do Nexo Jornal que achei bem completo). Mas o que eu quero trazer nesse texto, é explicar da melhor maneira possível - porque o Alexandre é um homem tão importante para o design mesmo que você não seja da área.

Argumento n° 1: ele contribuiu com a memória gráfica brasileira.
Mesmo quem não atua na área, tem algum contato com seu trabalho (Itaú, Eucatex, Klabin, Philco, Ultragás, etc.). O seu trabalho é focado em identidade visual/marca, e mesmo com o passar do tempo ainda são projetos muito presentes imaginário brasileiro e de alto reconhecimento.

Argumento n° 2:  ele formou o ensino do design no Brasil
Antes da década de 60 não existia o curso de ensino ao Design. Antes, era possível estudar Arte ou Arquitetura. Contudo Design mesmo só depois da criação do Ensino Superior em Desenho Industrial (ESDI) durante o governo de JK (  já fique sabendo que essa instituição ainda existe, inclusive já escrevemos um pouco sobre a ESDI - clique aqui). E com o passar do tempo, o curso que começou sozinho conseguiu  formar vários profissionais, como também foi referência para estruturar outros cursos  (segundo a Catho, o Brasil conta com 400 cursos na área).

Alexandre é um tipo de "Deus do Design"? Não. Pois colocar pessoas em um pedestal  não ajuda em nada - simples assim. Contudo, o mais importante é que tanto ele quantos outros de sua geração  contribuiu para abrir as portas para o Design Nacional.

0 comentários:

Postar um comentário