Novidades:
Procurando...

Experiência com o MCB

 



Semana passada, saiu o resultado do concurso do Museu da Casa Brasileira (para ler o resultado final dos jurados, leia esse texto). Caso alguém não conheça, esse museu promove a trinta anos um concurso de design para as duas categorias: Design de Produto e Design Gráfico. A proposta é dividida em duas partes: produz um cartaz para a divulgação do concurso de Produto. Tem como resultado um registro histórico do design nacional para os dois campos. Tanto que ano passado, lançaram um livro pela editora Olhares (caso queria saber melhor, clique aqui) Eu descobri esse evento durante a faculdade – creio que foi próximo da edição 23, na época, admito que não chamou muito a minha atenção e achei as peças estranhas. Mas como o tempo tudo resolve, eu tenho orgulho de afirmar que já participei de três edições!

O que acontece é o seguinte: mesmo o Rennan atuando com na área de Produto e eu na área de editorial - nós gostamos de trabalhar junto (prova disso é esse blog). O bacana é que cada um tem um estilo de resolver bem diferente, por exemplo: ele me ajuda na parte de criação, já eu procuro ajudar na parte técnica.

Nosso primeiro cartaz foi da edição 29 (imagem a baixo). Nossa ideia partiu de uma fotografia do centro do Rio de Janeiro. Algo muito curioso é que no centro carioca ainda possui o lambe-lambe no ambiente urbano para divulgar show (não sei em outras cidades, mas isso eu só vi o Rio).


No ano seguinte lá fomos nós - edição 30. Esse foi mais experimental, pois o Rennan estava explorando o recurso da colagem. No caso, nós fazíamos parte da montagem na mão com papel e tesoura e depois íamos ajustando no Photoshop. E sim, esse cartaz fez parte da exposição especial do concurso! Imagina a nossa felicidade ao ver nossa peça exposta.


Foto de uma ambiente interno (parede - porta - parede). Nas duas paredes estão carregadas de cartazes pendurados.
Foto da área interna do Museu da Casa Brasileira - a nossa peça esta na parte inferior direito. (Foto do Instagram).

E esse ano foi um outro marco, pois conseguimos produzir duas propostas. Uma com foco em comunicação e usando a fotografia como recurso (sim, é a minha mão), a outra peça foi um trabalho de combinação dos conceitos glitch e kitsch trabalhado por meio da composição e colagem digital
Assim, a parte da vitória ainda não conseguimos (se algum ano for selecionado, podem ter certeza que ficarei feliz).

Na esquerda, um cartaz onde se vê uma mão com um lapis sob um caderno e um post-it. E nesse posr-it pode se ver sinais de libra compondo a palavra OI. Na direita, uma composição digital com circulos (algumas com textura de madeira e outra na cor azul) e com letras.
De qualquer forma, participar com concurso é um processo bacana, já que abre a oportunidade para pensar em projetos que atendem menos as questões comerciais e mais na criatividade. Sem falar, que pessoas de renome da área analisam seu projeto. Ok, infelizmente eu não tenho um feedback do júri, mas além analisou a minha peça e são pessoas com mais experiência. Além disso, ao longo do tempo você cria a sua própria galeria – em três edições eu e Rennan criamos já quatro peças com o mesmo propósito.

0 comentários:

Postar um comentário