Novidades:
Procurando...

Aos revisores

 Imagem com a palavra Texto.
"Conversando, ninguém nota nada; por escrito, o revisor é sempre um homicida sádico (“Arrrá! Peguei no pulo!”) e a caneta vermelha jorra sangue no “A gente conversou bastante, e decidimos aprovar”... como assim? “A gente decidimos?!” Ah, mas tem um “nós” oculto no segundo verbo! E então? Não decidiram ainda!" (Cristovão Tezza)


Este é um trecho da Coluna de Cristovão Tezza, chamado "A vingança dos revizores" falando sobre a relação dos revisores e dos autores. E adorei este trecho pelo qual eu começo meu texto. Juro! Deve ser assim que revisor deve se sentir.

Eu tenho uma relação muito intima com os revisores, pois tenho uma na família. Ou seja, durante anos sempre precisei daqueles que ao contrário de mim, dominavam melhor a língua escrita. Além do contato dentro da família, com o tempo com a qual trabalho no editorial, aos poucos acabo conhecendo os revisores. Por exemplo, não é simples definir se o correto é 'Região sul' ou 'região Sul' (sim há uma diferença sutil que só dentro do contexto do texto pode definir e olhe lá). Ou, então quando revisor usa as virgulas chiques, conceito que eu mesma desenvolvi. Explico: quando eles colocam vírgulas em momentos do texto onde só eles saberiam explicar dos motivos dessa aplicação.

Eu sei que pode ser um tanto estranho, eu ser uma designer que escreve um blog e falar sobre os revisores. E é justamente essa estranheza que le motivou a escrever sobre eles,  hoje sei que posso escrever um blog depois de tantos anos penando com a nossa língua. E posso dizer mais, as vezes o designer não dá créditos a estas pessoas.

Porque digo isso?  Por isso:

(Fotografia: Gazeta do Povo)
(Fotografia: Gazeta do Povo)
Ok, é uma peça publicitária. Mas obviamente a equipe não se atentou a falha.

Convenhamos, é um tanto difícil criar uma peça gráfica sem texto. Projetar todo o aspecto gráfico e ao mesmo tempo cuidar de erros de português. Eu posso falar por experiência própria,  uma coisa é encontrar erro bobo de digitação ou coisa é perceber se a frase está clara e coerente. E nem vamos inventar de diagramar e revisar tudo junto! Acho que nem o MacGyver iria conseguir fazer duas coisas tão próximas e que exigem conhecimentos totalmente diferentes. Como eu não sou MacGyver e sou designer - fico com a diagramação!

Assim funciona uma boa aliança: revisores que garantem o entendimento do conteúdo enquanto designer procuram a melhor maneira de valorizar cada linha ali redigida e pensada. Acredite: cada letra e espaçamento ali colocado não estão ali a toa.

Para quem quer ler o texto todo do Cristovão Tezza: Link